/Opiniões sobre as cadeiras de rodas elétricas Zinger e Joytec
Opiniões sobre as cadeiras de rodas elétricas Zinger e Joytec 2018-09-22T19:32:09+00:00

As opiniões sobre as cadeiras de rodas elétricas Zinger e Joytec são o nosso maior aval. Os produtos Tecmoving ajudaram a mudar a vida de muitas pessoas em todo o mundo. De que estás à espera para mudar a tua?

Sou doente cardíaco desde os cinco anos mas nunca renunciei a fazer o que desejava por causa da minha doença. Claro que não fui profissional de nenhum desporto mas nadei, caminhei, viajei, etc. Inclusivé, subi às ruinas de Machu Pichu, devagar e respirando bem. Nestes momento sou reformada e há quatro meses e meio lesionei o tendão de Aquiles.

Não renunciei. Busquei na internet por cadeiras de rodas elétricas. Tinha de ser desmontável, pesar pouco, virar em espaços pequenos e subir declives significativos. Todas yinham problemas, ou eram desmontáveis mas perdia demasiado tempo a montá-las, ou pesavam demasiado, ou subiam rampas com pouca inclinação ou tinham pouca autonomia. Quando já começava a desesperar, encontrei a Zinger. Era perfeita para mim, não tinha de desmontar nada, até mesmo uma doente cardíaca é capaz de dobrá-la e desdobrá-la em menos de um minuto, pesa menos de metade do peso das mais leves que são desmontáveis, é facílima de conduzir, tem bastante autonomia, um bom design, comprei a verde, gosto da cor e do material de que é feita. Quando a utilizas não tens aquela triste sensação de que és uma pobre inválida. Podemos ser o que temos de ser mas sempre me senti muito mal quando provocava a compaixão alheia.

Com esta cadeira sentí que não dependia de outra pessoa, tinha recuperado a minha independência e essa sensação é algo que não se paga com dinheiro. A minha gratidão aos criadores desta cadeira americana e à equipa espanhola que decidiu importá-la e continua a criar complementos para a tornar uma cadeira cada vez mais confortável.

Ana Aragués, 2016

É uma viagem de cadeira! Leve, rápida, dobra-se facilmente, cabe bem no carro, conduz-se de forma intuitiva, podes fazer quilómetros com ela… à minha chamo-lhe ‘O Veículo’.

Graças à Zinger e à sua cadeira elétrica posso desfrutar da velocidade na cara… bem…velocidade velocidade também não, fiquei mais animado, mas para o ritmo de tartaruga em que costumo mover-me, para mim é ‘O Veículo’. Por isso me atrevo a posar com ela junto a outro veículo. Estou muito contente porque agora posso tolerar as compras, pesadas ou papeladas sem chegar a casa feita num farrapo.

Pois isso é graças a Zinger por fazer uma cadeira elétrica tão bonita e ao meu mecenos, evidentemente, um beijo muito grande!

Leire del Bosque, 2018

A cadeira é genial e também quero frizar que dão uma excelente atenção ao cliente. Estão sempre à sua disposição e ajudam em tudo o que é possível. Encanta-me!

Espe Jiménez., 2017
Jurgen Muller, fundador de la Fura dels Baus, propietario de una silla Zinger

Jurgen Muller, fundador de la Fura dels Baus.

Estou a desfrutar muito com a cadeira porque me dá mobilidade sobretudo quando acompanho a mina mulher nos nossos trabalhos. Geralmente, trabalhamos sempre em espaços de 40 x 25 metros ou ao ar livre em espaços públicos com dimensões ainda maiores.

Não vais acreditar mas, tanto na descida que se vê no video como na subida, a cadeira portou-se muito bem, a mochila que a cadeira transporta é de Judy, a minha senhora…

É surpreendente como, em todo o mundo, as pessoas ficam surpresas com a cadeira, que se pode dobrar e apenas pesa 18 kg. As pessoas não acreditam. Num dos vôos um hospedeiro quis entregar a cadeira a uma mãe com um bébé porque pensava que era um carrinho para bébés!

Agora voltei a passear com a Judy e isso fá-la muito feliz…

Jürgen Müller , 2016

Comprei uma Zinger há uns meses e só posso dizer que me facilitou e resolveu muito o meu dia-a-dia. Utilizo-a todos os dias na universidade, levo-a no carro e dá-me a autonomia que necessito tanto para mover-me pelo campus como para estar nas aulas (com uma almofada lombar). A cesta inferior permite-me levar os livros. A autonomia dura-me mais ou menos meia semana, mas a facilidade de poder tirar a bateria e carregá-la não o torna incómodo. É claro que num dia em que a usei horas a fio, numa viagem ou em Portaventura, por exemplo, a bateria esgotou-se, mas dura bastante. Conhecendo as suas limitações é uma cadeira impressionante, única e super útil, pelo menos para mim. Felicito-vos e estou muito agradecido.

Ignacio Molins, 2017